A atividade de RI e os indicadores ESG

Os profissionais de relações com investidores (RIs) interessados em ampliar sua base acionária não podem ignorar a força dos fundos de investimento responsáveis. Além de analisar os balanços das empresas, eles se debruçam sobre indicadores sociais, ambientais e de governança (ESG, na sigla, em inglês) na hora de escolher os ativos. Para se ter uma ideia da importância desse universo, o patrimônio sob administração dos signatários do Principle for Responsible Investment (PRI) soma, hoje, cerca de US$ 59 trilhões, contra US$ 4 trilhões quando a organização foi lançada em 2006. Diante desse cenário, qual a preparação dos nossos RIs para atender esse público? Quais indicadores sociais, ambientais e de governança os investidores querem ter acesso? Como aprimorar a comunicação desses dados a ponto que possam ser integrados nas ferramentas de valuation? As áreas de RI e sustentabilidade podem trabalhar mais em conjunto para atender o investidor? Essas e outras questões foram debatidas no Grupo de Discussão Relações com Investidores.

Participantes:

• Guilherme Nahuz, superintendente de relações com investidores da SulAmérica
• Luzia Hirata, equity research analyst do Santander Asset Management
• Raquel M Costa, analista ESG e de crédito do HSBC
• Sonia Favaretto, diretora de imprensa e sustentabilidade da BM&FBovespa
• Tatiana Assali, head of South America do PRI
• Tereza Kaneta, diretora da Brunswick
• Juliana Lopes, diretora de CDP para América Latina

Conteúdo exclusivo para associados

Ingresse para o Clube de Conhecimento e tenha acesso a esse áudio e outras vantagens.